terça-feira, 2 de julho de 2013

Dilma a serviço do capital internacional. Quem diria!

por Emanuel Cancella A Europa e os Estados Unidos, em estado falimentar, se voltam para o Brasil. Só não faliram em 2008, na crise financeira internacional, por conta da emissão do dinheiro sem lastro, ou papel pintado. Agora que estamos em uma melhor situação, o governo Dilma oferece aos nossos colonizadores de sempre o nosso principal ativo, o petróleo. Essa trama contra a nação brasileira precisa, para ser perpetrada, de um governo forte e de um partido igualmente poderoso. Tanto isso é verdade que o governo de Fernando Collor, que iniciou a entrega de nosso patrimônio público, foi defenestrado. Fernando Henrique Cardoso não conseguiu todo seu intento, principalmente privatizar a Petrobrás. Dilma vai trocar por dinheiro pintado duas Petrobrás ou mais de um PIB (tudo que o país produz e arrecada em um ano). Além do petróleo, Dilma pretende entregar quase toda a logística que envolve a indústria do petróleo no país, refinaria e terminais. Um dos grandes beneficiários dessa tramóia é o mega empresário Eike Batista, que muitos acreditam ser o testa de ferro do capital internacional. Grande financiador de campanhas partidárias, Eike é o grande parceiro do PT, PMDB e PC do B. No Rio de Janeiro, os governos do PMDB de Sergio Cabral e do prefeito Eduardo Paes já entregaram, a Eike, o Marcanã, hotel Gloria, Marina da Glória etc. O governo federal já “vendeu” a Eike 40% do campo gigante BS 04 da bacia de Santos como concedeu também o porto de Açu que deveria ser da Transpetro, 100% Petrobrás. O poder de Eike é tamanho que a Diretora-Geral da ANP, Magda Chambriard, afastou dois funcionários de suas funções por ter multado a empresa OGX de Eike, multa essa logo depois perdoada. A principal função da ANP é a de fiscalizar o setor petróleo. E ainda, de forma contraditória e descabida, a diretora Magda sai publicamente em defesa de Eike que se diz em dificuldade financeira. As principais guerras contemporâneas no mundo têm como pano de fundo o petróleo. No Brasil, o governo Dilma vai leiloar 30 bilhões de barris de petróleo, nos dias 14 e 15 de maio, mais que o dobro das reservas descobertas e acumuladas pela Petrobrás em 59 anos. As reservas reconhecidas da Petrobrás são de 14 bi de barris, sem o pré-sal. Mas a presidente Dilma já marcou para novembro o leilão do pré-sal, além de preparar a entrega através do desinvestimento a logística da Petrobrás (terminais e refinarias). O 11º leilão vai ser realizado no hotel Royal, em São Conrado, no Rio. Ao invés da resistência popular, o governo Dilma estende tapete vermelho aos saqueadores de nossas reservas naturais, que, diga-se de passagem, não se renovam. Provavelmente para que não haja o despertar do nacionalismo, Dilma desonerou de impostos a mídia em R$ 1,4 bi, esse cala boca é para que não haja nenhum debate, nem contra nem a favor da posição do governo em relação ao petróleo. Segundo denúncia do Wikileaks, interceptando documento da Embaixada de Washington: “... não pode haver debate sobre o petróleo para não despertar o nacionalismo dos brasileiros...”. Segundo o economista ex-presidente do BNDES, Carlos Lessa, no filme “ O petróleo tem que ser nosso – A última Fronteira: “não existe moeda mais forte no mundo que o petróleo”. As guerras no mundo contemporâneas provam a tese de Lessa. Só Dilma e os partidos da base do governo não entendem! RIO DE JANEIRO, 06 de maio de 2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário